Contábil / Financeira Grafotécnica e documentoscópia Degravação Informática Engenharia Agronomica Medicina Veterinária Engenharia Civil Engenharia Mecânica Engenharia Elétrica e Eletrônica Engenharia Florestal Geologia

Blog Galbiati

Informe-se com artigos e matérias na área de perícias

Como deve ser feito o cálculo do valor da aposentadoria especial?

Como deve ser feito o cálculo do valor da aposentadoria especial?

Neste conteúdo iremos explicar as diferentes formas de calcular o valor da aposentadoria especial do INSS.

Você trabalha exposto a agentes nocivos, apresentando riscos à sua saúde ou integridade física? Então saiba que você pode ter direito à Aposentadoria Especial.

Muitas dúvidas rondam a cabeça dos segurados sobre o tema abordado. Qual o valor do benefício? Como calcular o benefício? Devo me aposentar pelas regras antigas ou pelas novas? E como converter o tempo especial em tempo comum?

No conteúdo de hoje iremos te explicar o que é e como fazer o cálculo da Aposentadoria Especial. Acompanhe!

Quais foram os impactos da Reforma da Previdência nesse benefício?  

O benefício que também era conhecido como aposentadoria por insalubridade sempre foi considerado como um dos mais vantajosos do INSS, onde o trabalhador poderia se aposentar com 15,20,25 anos de contribuição sem precisar alcançar uma idade mínima.

Não havia aplicação do fator previdenciário e o valor a ser recebido era equivalente a 100% da média dos salários de contribuição.

Atualmente na aposentadoria especial, existe a necessidade de alcançar uma idade mínima que pode variar de acordo com a nocividade da atividade (sendo assim de 15,20 ou 25 anos de contribuição).

Existindo a possibilidade de enquadramento nas regras de transição para insalubridade se o segurado não preencher todos os requisitos.

Como fazer o cálculo da Aposentadoria especial?

A primeira coisa a se fazer é encontrar o salário de benefício, que é o resultado de uma média aritmética dos salários de contribuição do trabalhador. 

Antes da reforma

Na regra antiga, a média das obrigações levava em consideração apenas 80% das maiores contribuições do segurado feitas a partir de julho de 1994 e descartava as 20% menores.

Em algum momento ruim de sua vida laboral, em que o segurado conseguia apenas contribuir pelo salário mínimo, essas contribuições menores seriam descartadas e não impactariam negativamente em sua média final. 

Sendo aplicada uma porcentagem para descobrir de fato quanto o segurado receberia de aposentadoria. Esse valor era de 100%, sem o fator previdenciário. 

Depois da reforma

Na regra atual, o cálculo para obter o salário de benefício é feito com TODOS (baixos ou altos) salários de contribuição feitos a partir de julho de 1994. 

Para encontrar essa média aritmética, você precisará somar todos os pagamentos e dividir pelo número total de contribuições.

Encontrado esse valor, chegamos à 2ª mudança trazida pela reforma.  

Onde a porcentagem a ser aplicada no valor do salário de benefício é de 60% mais 2% ao ano que exceder suas contribuições: 

  • 20 anos para homens;
  • 15 anos para mulheres.
  • Existe a possibilidade de fugir da nova regra?

    Existe uma forma de se aposentar pelas regras antigas. O chamado Direito Adquirido

    Onde o segurado cumpriu todos os requisitos exigidos antes da reforma entrar em vigor, adquirindo o direito de se aposentar pelas regras antigas.

    Por isso, o indicado é fazer um cálculo previdenciário para saber se você tem direito ao benefício. 

    Como descobrir em qual regra eu me encaixo?    

    É necessário que seja realizada uma análise para saber em qual das duas opções o seu benefício está incluso.

    Onde serão verificados os documentos que comprovam atividade especial, os períodos contributivos e a realização de todos os cálculos que foram solicitados acima. 

    E é importante que você tenha a presença de um advogado previdenciário, especializado em cálculos e aposentadoria, ao seu lado, para cessar suas dúvidas e resolver os seus problemas.

Fonte: REDE JORNAL CONTÁBIL

Deixar comentário

Outras matérias